7 de novembro de 2010

Tantos Caminhos: a festa continua - parte IV

Meus amigos, hoje, divido com vocês um conto reeditado pela querida amiga Glorinha, do blog Café com Bolo!


Lembram dos contos dos irmãos Grimm, de Hans Christian Andersen? Pois é, resolvi reescrever vários contos de crianças, adaptando-os para adultos. Se vai dar certo? Sei lá, mas aqui vai o primeiro:

A Princesa e a Ervilha.

Era uma vez uma princesa.

Ela era chic, fashion, inteligente, só usava Prada e sapatinhos Laboutin com a solinha vermelha. Lenços e echarpes Hermès. Tudo o que o dinheiro podia comprar ela possuía. Mas ela era solitária. E invejada.Todos os homens pelos quais se apaixonou só queriam saber de sua fortuna e de sua realeza.

Numa de suas estadas em Paris, hospedou-se no Georges V, como sempre fazia e arrumaram o quarto mais lindo para a linda e loura princesa.

Com vista para a Torre Eiffel e o rio Sena (na minha estória pode, tá?), borrifado com lavanda da Provence, o quarto era um sonho cor de rosa.

Para que a cama da princesa ficasse beeeem macia, pois ela estava acostumada com tudo de melhor que havia no mundo e só dormia em colchões de pluma de ganso e em lençóis de 2000 fios egícios, o velho camareiro colocou cerca de 30 colchões, um em cima do outro e uma escada ao lado para que a princesa pudesse subir láááá no alto da cama.

Acabou que, ao se deitar, a princesa ficou com a cabeça quase colada no teto e começou a ouvir uns barulhos vindos do quarto de cima.

Uns gemidos, uns arquejos. A princesa, curiosa, colou o ouvido no teto para ouvir melhor:

- Ai meu amor, assim...


- Ai que gostoso, querido...


- Meu amor, como eu te amo...

E ouvindo tanto aiaiai, uiuiui e tantas juras de amor a princesa começou a pensar em como desejava arranjar um príncipe, lindo, forte, musculoso, másculo e que a amasse de verdade.

Chamou o camareiro e pediu um champagne.

Tomou a garrafa quase toda, na esperança de dormir e não ouvir mais os gemidos e sussurros do casal do quarto de cima.

Nada adiantava. Ela continuava ouvindo o casal que fazia amor no andar de cima, pelo visto, no chão.


Até que resolveu pedir um Rivotril ou um Lexotan qualquer coisa que a fizesse dormir, pois de nada adiantava a maciez do colchão, o perfume de lavanda, o champagne. Ela estava começando a ficar triste demais e a ter a consciência de que nada adiantava ter dinheiro, luxo e conforto quando não se tem com quem dividí-lo.

Até que o camareiro, com pena da princesa, trouxe-lhe uma sopa de ervilhas bem quentinha, sentou-se na cadeira ao seu lado e começou a contar sua vida.

A princesa, encantada, ouviu o relato do velho camareiro, enquanto tomava sua sopa cheirosa e quente, até que, finalmente, adormeceu.

O camareiro saiu, pé ante pé, fechou a porta do quarto devagar e sorriu contente, pensando com seus botões: Ainda bem que as ervilhas encontradas debaixo dos colchões e juntadas ao longo de todos esses anos, finalmente, serviram para aquecer um coração solitário.

E assim, a princesa aprendeu, que sempre que se sentisse só, bastava uma boa e quente sopa de ervilhas e um amigo ao lado para que sua solidão desaparecesse.


"Precisamos de muito pouca coisa. Só uns dos outros."

Carlito Maia - escritor e publicitário.

Fim

Amigos dando continuidade a festividade, amanhã, estarei no blog da querida Norma - Pensando em família falando um pouco sobre a minha infância. Um beijo

20 comentários:

*** Cris *** disse...

Verdade, precisamos de tão pouco para sermos felizes, tenho aprendido isso todos os dias com meus filhos.
Bjs!

Cantinho She disse...

Obaaaaaaa, adorei! Beijo, beijo queridona!
She

Tatiana disse...

Realmente Querida Isa... "Precisamos de muito pouca coisa. Só uns dos outros."
Está aí a parte um tanto difícil dessa vida... Precisar de pessoas que muitas vezes não estão dispostas a se doar e a receber o próximo como ele muitas vezes precisa!
Desculpa a divagação... É o meu momento falando mais alto!

Adorei a história...

Beijos com meu carinho

Luana Farias disse...

Adorei a história, gostei da sua ideia de esquecer um livro.

http://partesdeumdiario.blogspot.com/
Bjs

Hanukká disse...

Lindo domingo querida, trouxe-lhe uma palavra,.
Isaías 42,6

Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, e te tomarei pela mão, e te guardarei, e te darei por aliança do povo, e para luz dos gentios.


bjinhos

Glorinha L de Lion disse...

Isa querida, obrigada por ter colocado minha estorinha. Foi só uma tentativa de brincar com as velhas estórias que ouvíamos quando crianças, adaptando-as aos dias de hj. Mas, saiu errado, Isa, vai lá, que o final e o título apareceram no fim do post. Beijinhos e obrigada,Feliz niver pro seu blog!

AVOGI disse...

Quer dizer...a cabo de vir do blogue da Nilce vejo as coisinhas simples que uma mulher precisa para viver e ser feliz. (Tão simples e os homens nao nos entendem...) e venho aqui e fico a saber que uma sopa de ervilhas faz o mesmo? torna uma mulher feliz? credo eu deixo as sopas de ervilhas para quem quiser e par mim só quero as coisa da Nilce
kis :=):=)

pensandoemfamilia disse...

Muito bom, escolheu bem e sempre bom rever o que é bom.
bjs´.
Até amanhã na Série.

Luma Rosa disse...

O dinheiro não traz felicidade, mas resolve 99% dos nossos problemas. Oooops! Consertando isto! :) Dinheiro não compra saúde, não compra amor ou amizade. A melhor forma de reconhecer quem realmente nos quer bem de verdade é saber quem fica do nosso lado nos piores momentos. Boa semana! Beijus,

orvalho do ceu disse...

Olé, carinhosa amiga Isa
Recorto pra guardar no coração:
"Mas ela era solitária. E invejada"...
Acontece muito...
Bjm e doce Domingo pra vc,amiga.

Daniel Savio disse...

Principalmente a existência de um amigo...

Mas na verdade, havia dezenas de versões para os contos de fadas, mas nem todos terminavam num final feliz.

Fique com Deus, menina Isadora.
Um abraço.

Carla Farinazzi disse...

Isa,

Parabéns a você e à Glorinha pelo lindo texto. Faz-nos pensar, e lembrar o valor que tem uma amizade, alguém que nos dê atenção e carinho quando precisamos. Neste mundo louco, isso é cada vez mais raro...

Beijos

Carla

Dri Andrade disse...

Oi linda,queria tanto ter ido,mas minha mãe ta dengosa a she deve ter falado pra vcs.
Que pena ,mas espero que tenhamos outra oportunidade antes do meu casamento em meados de dezembro.

beijosssss para todas

lis disse...

Gostei muito
uma sopinha de ervilha de vez em quando contada por um camareiro é uma boa pedida rs
vou aderir.
meus abraços com carinho desejando que amanha dia 08 os livros sejam derramados pelas praças e jardins!
depois te conto rs
boa semana

Beth/Lilás disse...

Glorinha é uma das melhores escritoras da blogosfera e sou fã de carteirinha dela, portanto espero que quem não a conhecia antes, passe a conhecer melhor lendo os ótimos textos que tem lá no seu pedaço.
beijos cariocas

Fátima Guerra (Mellíss) disse...

Isa querida

Que as estrelas permaneçam até o amanhecer.
Tenha uma semana feliz!
Carinho,

Fátima Guerra.

Irene Moreira disse...

Lindo Isa

Uma sopinha dessa servida pelo camareiro deve ser um relaxante e tanto.
Linda história.

Beijos e mais tarde temos um compromisso de esquecr um livro.

PS. Já separei aqui para não esquecer.
Depois divulgo num post.

Maria Dias disse...

Fui uma criança que amava ouvir histórias e me transportar para lá.Tive tres livros q perdi com o tempo, livros q ganhei de uma outra criança que cresceu e me confiou estes livros, mas os perdi ou me furtaram e só me restou desta leva o livro do Sitio do Pica Pau Amarelo de Monteiro Lobato(acho q uma das primeiras edições)uma preciosidade que guardo até hoje com muito carinho...
A perda dos tres livros é muito grande pois leva parte da minha infância. Bem, eles eram do tempo em q se escrevia farmácia ainda com ph...rs...

Ah deixa eu me apresentar: Sou Maria Dias do Ofertando Flores e estou participando do Amigo Oculto que a Ester está organizando.
Estou passando nos blogs de todas as participantes para conhece-las melhor. Estou adorando todas vcs!
Apareça no Ofertando tb...Vou te linkar para voltar aqui, adorei seu lugar.Esta frase no fim da sua história me lembrou outra frase a de q: "Somos anjos de uma asa só e só podemos voar amparados uns aos outros".

Boa sorte com suas histórias tenho certeza q elas farão muitas crianças felizes mesmo aquelas que nao podem ser felizes o tempo todo.

Beijinhos

Maria Dias

Flávia disse...

Olá Isadora!
Que história mais encantadora!
Acredita que me lembrei da Suri Cruise quando comecei a ler a historinha? rs
Ela é a típica princesinha que tem tudo do bom e do melhor.
Espero que ela não sinta solidão na sua vida, devido a tanto dinheiro que já tinha antes mesmo de nascer.
Isso que vc escreveu é uma história, mas é muito real ao mesmo tempo.

Gostei de verdade.
Parabéns!

Bom, tb gostaria de agradecer a visita que vc fez ao meu blog na postagem da nossa humilde campanha blogueira educada. Espero que aquelas dicas possam ajudar muita gente, principalmente quem está começando agora.

Eu adorei seu cantinho, super colorido, pra cima!!!

Um beijo querida!!

ops.: achei muito meigo você colocar na postagem do aniversário do Alexandre (Lost in Japan) a letra da canção Feliz Aniversário como se fosse cantada em japonês.
Tb moro aqui e sei bem como é! rsrs ... beijinho!

Denise disse...

Definitivamente, o encanto das estórias não pertence somente à infância...esta trás a riqueza que é ter amigos, a simplicidade do gesto na resolução do "problema"...

Muito legal!!
Parabéns pra Glorinha, pro Tantos Caminhos e um bjo pra ambas!