6 de abril de 2012

Amar é...


                                                                500px.com/photos?page=5

          Amar é como soltar as amarras e partir com as velas desfraldadas rumo a águas desconhecidas

11 de março de 2012

O Jarro do Amor


Imaginemos a cena: uma mesa arrumada com uma linda toalha branca de renda e sobre ela, uma bandeja de prata com um belo jarro de cristal e alguns copos dispostos (cada um pode imaginar a quantidade de copos que desejar).

O conteúdo desse jarro: Amor. Um jarro que transborda Amor.

Podemos ao longo de nossa vida servir apenas um copo e dele bebermos por todos os dias de nossas vidas.

Podemos, também, servir um copo, bebermos dele por muito tempo e vermos, um belo dia, que o conteúdo depositado nele, simplesmente, acabou. Nós o bebemos até a última gota, nós saboreamos cada gole, mas um dia nos sentimos saciados. Então o que fazemos?

Servimos um outro copo e podemos ao servir esse segundo copo, dele bebermos por todos os demais dias, ou  recomeçarmos tudo novamente.

Nós somos como um jarro que transborda Amor.

17 de fevereiro de 2012

Não me leve a mal, hoje é carnaval


Máscara Negra

Quanto riso! Oh! quanta alegria!
Mais de mil palhaços no salão.
Arlequim está chorando
Pelo amor da Colombina
No meio da multidão.
Foi bom te ver outra vez,
Está fazendo um ano,
Foi no carnaval que passou.
Eu sou aquele Pierrô
Que te abraçou e te beijou meu amor.
Na mesma máscara negra
Que esconde o teu rosto
Eu quero matar a saudade.
Vou beijar-te agora,
Não me leve a mal:
Hoje é carnaval.

11 de fevereiro de 2012

O que encanta meus olhos...

Fotos Isadora

Fotos Isadora
Fotos Isadora

Fotos Isadora

Fotos Isadora
   
Fotos Isadora

"A gente sempre deve sair à rua como quem  foge de casa, como se estivessem abertos diante de nós todos os caminhos do mundo.
Não importa que os compromissos, as obrigações estejam ali...
Chegamos de muito longe, de alma aberta e coração cantando!" 
(Mário Quintana)

10 de fevereiro de 2012

Às vezes...

Às vezes, a única coisa que devemos fazer é colocar no colo, envolver em um abraço bem apertado e seguro e permanecer em silêncio.

Tem poder curativo...

15 de janeiro de 2012

Microconto


Dessa vez era uma carta curta, bem diferente de tantas outras que havia escrito. Já tinha escrito tudo o que guardava no coração e na alma exaustivamente. Talvez tenha sido repetitiva, mas o que o coração guarda são lembranças repetidas de momentos finitos.

Olhava para o papel preenchido de letras, sentimentos, cores e aromas. Ficou surpresa em como foi sucinta. Dessa vez não houve rodeios ou floreios. Talvez o assunto tenha se esgotado, ou, ela estava esgotada.

Dobrou o papel delicadamente e pegou o envelope carmim. Até a escolha do papel e do envelope eram teatrais. Pensou: por que tanta dramaticidade? Desde sempre foi assim: uma sucessão de exageros.

Tudo tem uma medida, e, ela por diversas vezes exagerou, não é à toa que que se erramos a medida, o bolo desanda, o tempero fica picante, a comida fica salgada.

Pegou a carta, a bolsa mas por um minuto ficou parada perto a porta. Aquele minuto em que uma mudança de rumo pode alterar toda a história. Deu meia volta e foi até a biblioteca. Tirou  um livro da estante e colocou a carta dentro.

Aquela carta não seria enviada. Chegou a conclusão que era uma carta para si mesma e que desse momento em diante não erraria mais a medida. Nada de exagero ou escassez, apenas a medida exata.

11 de janeiro de 2012

Gentileza sempre gera Gentileza

Compartilho com vocês um dos vídeos mais bonitos que já vi nos últimos anos.

Um mundo assim seria maravilhoso!



4 de janeiro de 2012