29 de outubro de 2010

Blogagem Coletiva - Minha Ideia É Meu Pincel (1ª)

Monet - Irises in Monet's Garden
É isso! A querida Glorinha, do blog Café com Bolo foi tomada por um comichão e nos chamou para uma nova blogagem coletiva. Mais uma vez desafio lançado e aceito e vamo ver no que vai dar. Respeitável público com vocês, um conto.

Era uma manhã fresca de primavera, que mais pedia uma cadeira confortável, um chá gelado e um bom livro, porém no momento satisfazer sua vontade não era possível. Era preciso fazer algo. Já havia adiado demais. E diante da insistência do pensamento dirigiu-se sem mais demora até a porta dos fundos.

A distância que a separava de seu destino era pequena, apenas um largo corredor, mas antes era preciso recolher todos os apetrechos: carrinho de mão, enxada, garfo, tesoura de poda e tesoura de galho, regador e a pazinha de mão. Agora sim, podia dar início à tarefa.

Quando chegou ao local, a cena era desoladora. Seu jardim outrora tão bem cuidado e bonito transformou-se em um punhado de folhas e flores ressequidas. Porque deixara seu jardim ficar daquele jeito? Bem, por mais que soubesse o motivo não era hora para pesar nisso. Havia decidido que seu jardim voltaria a ser motivo de orgulho e alegria. De seu único e exclusivo orgulho e alegria.

Já com a roupa apropriada e com seu chapelão de palha colocou as luvas e mãos a obra.

Primeiro pegou a pá menor e começou a retirar raízes, ramos, folhas e tudo o mais que se acumulará por lá. Terreno limpo foi a vez da enxada para revirar o solo e aplaná-lo. Agora era prepará-lo com doses generosas de terra escura de cor marrom café e logo depois o adubo. Novamente com a enxada fez os sulcos e preparou pequenas fileiras para que pudesse colocar as sementes de gerânio, flor do campo, petúnia, margarida, rosa, depois cobri-las com um pouco mais de terra. Agora era apenas regar e aguardar.

Com a tesoura de galho foi cortando os galhos ressequidos das duas únicas árvores do jardim que mesmo diante de seu total descaso, teimavam em permanecerem firmes e fortes. E os poucos arbustos que resistiram foram trabalhados com a tesoura de poda e logo pareciam ter ganhado novo ar.

Embora o espaço fosse pequeno, estava cansada, já que havia prometido a si mesma que hoje seria o dia. De hoje não passaria e aquele jardim voltaria a florescer e mais uma vez se tornaria o seu recanto, o lugar para relaxar, o lugar que por tantas vezes aquietou seu espírito.

No final já exausta, suada e cansada parou para admirar o que havia feito. As flores não demorariam a dar o ar graça e exalar seus perfumes, e seu jardim voltaria a ser motivo de orgulho.

Tinha graça, justamente ela que tinha uma mão tão boa para plantar e cuidar ficar admirando o jardim dos outros, enquanto ela mesma podia fazer o seu jardim tão bonito quanto.

26 comentários:

Astrid Annabelle disse...

Olá Isa!
Adorei ler seu conto.
Bela participação a sua.
A Glorinha nos põe fogo!!!hehehe
Beijo grande
Astrid Annabelle

Lu Souza Brito disse...

Bom dia Isaaa,

Adorei seu conto, que traz além da estória, uma lição de vida. Foi o que li nas entrelinhas.
Super beijo
Lu

Tatiana disse...

"aquele jardim voltaria a florescer e mais uma vez se tornaria o seu recanto, o lugar para relaxar, o lugar que por tantas vezes aquietou seu espírito."

... O meu jardim foi feito dessa mesma forma, trazendo paz ao meu espírito toda vez que estou em contato com ele.

Linda participação! Belíssimo Conto!

Beijos

Misturação - Ana Karla disse...

Uma reflexão, eu diria...
Vim conferir a sua blogagem, claro.
Bom dia!
Xeros

Beth/Lilás disse...

Bom dia, Isa!
Sabe, seu pequeno conto me lembrou quando resolvo atacar meu jardim de luvas e botas. É bem por aí o que sentimos ao ver o local limpo, depois do dia estafante, mas sabemos que será recompensador como a pintura de Monet, depois de pronto.
bjs cariocas

Daniel Savio disse...

As vezes perdemos tempo demais reclamando em vez de lutar para melhorar o que se tem de melhorar...

Fique com Deus, menina Isadora.
Um abraço.

pensandoemfamilia disse...

Belo conto, fica-me como uma metáfora de como lidamos algumas vezes com a nossa vida.
bjs

Siala disse...

Se todos cuidássemos dos nossos jardins em vez de cobiçar o jardim dos outros...tudo seria bem mais florido e perfumado!
Namasté!

Lúcia Soares disse...

Isadora, lindo conto, de renovação, de poder da mente, para realizar o que queremos.
Um jardim de alegrias e paz para você.
beijo!

António Rosa disse...

Isadora

Apreciei esta sua narrativa, que acompanhei com muita atenção e nos primeiros parágrafos cheguei a pensar que estava a narrar parte da vida do próprio Monet, até que descobri que era uma jardineira.

Grande abraço.

António

Socorro Melo disse...

Oi, Isadora!

Um belo conto, e uma bela lição de vida. Se não me engano, Shakespeare dizia isso mesmo, em outras palavras, cuide do seu próprio jardim, não espere receber flores dos outros.

Ótima participação.

Um grande abraço
Socorro Melo

Fátima disse...

Oi Isadora! :)

Concordo com a Siala, temos a mania de admirar o que com esforço os outros fizeram, seguir o exemplo seria de se louvar.

Você mudou o blog? Ele está mais luminoso!

Bjs

Cacá disse...

Você pincelou com palavras um quadro belíssimo, Isadora! Adorei o conto! Abraços. Paz e bem.

Manuela Freitas disse...

Querida Isa,
O teu conto encerra uma mensagem, estamos sempre a tempo de melhorar tudo, dar uma virada, pondo beleza na nossa vida! Gostei muito.
Agora um apárte, na tua descrição das tarefas a fazer, és mesmo uma «expert» no assunto!!!
Beijinhos,
Manú

Glorinha L de Lion disse...

Eu ando precisando fazer isso, minha doce amiga Isa. Remexer, arrancar raízes, adubar. Tanto meu jardim de terra, como meu jardim de alma. Lindo conto! Obrigada por participar lindamente. beijos.

Lianara **Lia** disse...

Oi Isadora!

Lindo conto! Adorei!

Precisamos cuidar do nosso jardim interior e regar as flores da nossa alma!

Beijos
Lia
Blog Reticências...

Marli Borges disse...

Oi Isadora,
Um conto singelo, uma história pra lá de especial. Vem ao encontro do texto que postei lá no meu blog. Em resumo: somos responsáveis por nós. O jardim é nosso, só nós podemos cuidar. Beijo.

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...

ACHEI LINDO ESSE TEXTO ESSA BLOGAGEM COLETIVA POE A BLOGOSFERA MELHOR QUE JÁ É!
BEIJO

Macá disse...

Isa
Consegui chegar só agora. Passeei por tantos jardins floridos hoje, que acabei me perdendo pelo caminho.
Eu acho que na vida é isso mesmo; chega uma hora que temos que colocar as luvas e limpar, cortar as raízes, tirar as heras daninhas, e deixar as flores ocuparem o espaço.
Gostei do texto.
um beijo

lis disse...

Oi Isa
Monet é divino e seu conto foi pincelando e renovando o jardim fazendo-o tão colorido quanto o jardim da tela .
Boa reflexão pra cuidarmos dos nossos que são verdadeiramente nossos maiores amores.
beijinhos

orvalho do ceu disse...

Olá, Isa estimada
Sua pergunta instigou-me:
"Porque deixara seu jardim ficar daquele jeito?"
Pois é, querida, vc mesmo deu uma pista inquestionável... adubar a terra,eis a questão... se tornará fecundo o solo outrora árido...
O coração de Monet foi,pelos frutos das flores... terreno bom... recompensou a cem por um...
Lindo o seu conto!!! Com profunda mensagem para nós todos.
A poda de tempo em tempo é fator relevante para o crescimento... sem sombra de dúvida...
Seja feliz e abençoada!!!
Abrços fraternos e votos de muita serenidade.

EDER RIBEIRO disse...

Pudesse nós jardinar mais, com certeza mais do que colher flores, perfumaria. Bjos.

Lua Nova disse...

É sensacional perceber como cada um tem uma idéia a partir do mesmo tema. E a sua foi formidável. Afinal, não adianta correr atrás das borboletas. O importante é cuidar do jardim, não é? É fato que podemos "passear" pelos jardins de Monet, mas também podemos sentar e esperar suas flores crescerem. O desabrochar delas sempre dá uma sensação de alegria na alma.
Adorei o conto, Isa.
Beijokas.

Mônica - Sacerdotisa da Deusa disse...

Que lindo Isa!!!
Pra variar né rsrrs, adoro tudo o que escreve...é tão real...e a gente vai longe...tão bom :)
Beijinhos minha amiga lindona.

Flores e Luz.

PS: lindo o novo layout, e essa sua fotinho tá arrasando! Bju

Nilce disse...

Isa
Seu conto ficou especial. A limpeza não é apenas do jardim. É a renovação, o florescer do novo. Muito ligado ao jardim de Monet.
Amei.

Bjs no coração!

Nilce

Luma Rosa disse...

Para usufruirmos e ter algo duradouro, precisamos zelar! Cultivar um jardim está além de adubar a terra e plantar - a cada novo dia, novas tarefas! A cada nova estação, reconstrução! Não à toa quem tem "mão boa", tem também "paciência". Se pra tudo tem recompensa ou que não devamos pensar na recompensa... esse chá gelado, vem a calhar!! (rs*) Bom fim de semana! Beijus,