26 de outubro de 2010

Amores não competem...

Li esse texto, acho que há mais ou menos dois anos e embora seja de um psicoterapeuta, vou postar pois gostei muito.

Amores não competem, nós é que temos que fazer escolhas!

“Nós, temos a capacidade de amar várias pessoas ao mesmo tempo. Nossa cultura monogâmica é que nos faz optar por uma somente. Ao fazermos isso, abrimos mão dos outros amores que poderíamos ter. E não temos um só amor que passamos de uma pessoa para outra. Cada um de nossos amores é exclusivo, sem igual, não tendo relação com os anteriores.

Ao contrário do que ingenuamente se supõe, o campo amoroso não é monoteísta, mas verdadeiro panteão. Somos amorosamente polivalentes. Tomemos consciência disso e nos responsabilizemos pelas implicações desse fato.

Supondo-se que, de fato, a palavra amor se aplique à situação, podemos afirmar que, quando alguém diz que não tem certeza se ama uma pessoa ou outra, é possível que ambas sejam amadas. Mais parecido com a realidade psicológica seria dizer: "Não sei a qual desses dois amores eu suporto renunciar". Quando se faz uma escolha amorosa, decide-se não viver uma série de outros amores.

Pode-se fazer com que a libido - energia psíquica - se destine a um grande amor, situação em que a pessoa opta por privar-se de outros amores. Ajuda-nos a entender esse fenômeno a vivência parental: o pai e a mãe "inventam" um amor para cada um dos filhos. É bobagem a afirmação de que "o amor que sinto pelos meus filhos é um só", ou "amo meus filhos igualmente". Cada filho faz emergir em nós um amor distinto. O amor que temos por um filho é só dele. Nossa capacidade amorosa é que nos permite amar cada um de um jeito novo, por motivações distintas; veiculamos nosso amor de modos impossíveis de se repetir. É importante que seja assim.

Já com os adultos...não há um amor único que se movimente de um parceiro para outro, feito um líquido que se transporta de um jarro a outro. Para cada um de nossos amores, fundamos um jarro distinto e o preenchemos com um conteúdo diferente. Assim, não existe algo como "Não amo mais você; agora amo outra pessoa", como se o amor que se destinava a uma pessoa pudesse ser transposto para outra. O que existe é: "Escolho não mais nutrir um grande amor por você. Esse amor, eu o deixo morrer. Teve início uma outra história de amor, movida e sustentada por outro padrão amoroso, que emerge em mim em razão da relação que opto por ter. Eu escolho perder você".

O amor que entra em jogo na união atual é único, não compete com o anterior."

Alberto Lima, psicoterapeuta de orientação junguiana (o texto não está reproduzido na íntegra)

22 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Muito bom, Isa!
Cada amor é um amor, e, ao mesmo tempo, o Amor nas suas mais diversas manifestações. O Amor nunca é igual.
Amor de dois, de pais para filhos, de amigos, e, sobretudo, amor de um ser humano por outro.
Beijos, querida amiga
Renata
Andei distante, sei, e continuarei um tanto afastada, pois ainda estou meio dodói. Sorry, dear. I love u*

Lu Souza Brito disse...

OLá Isa,

É mesmo muito verdadeiro isso. Eu digo sempre para minha mãe que nao acredito nessa que nao tem diferença entre os filhos, rsrsr. Tem inclusive preferencias, por afinidade ou sei lá...amor diferente.
E eu digo isso porque tenho muitos sobrinhos e meu amor por cada um deles é totalmente diferente um do outro.
Beijokas
Lu

Lis. disse...

Olá Isa

Vejo que se falarmos de amor teremos que falar em VALORES. Uma pessoa para ser amada necessita ter VALOR. Uma mãe, pai, irmão, amante, namorado, marido, esposa, ou seja lá quem for sem valor não vale nada e não tem como ser amada.

É que a gente tem uma tendência em amar quem não merece ser amado, e terminamos por sofrer...

E é engraçado notar certas coisas que são totalmente invisíveis aos nossos olhos, citando por exemplo um amigo que eu tenho, formado em medicina. Ele totalmente "pelado" vale algo perto de mais de quatro milhões de reais. Foi o que o pai dele gastou com a formação dele.

O meu pai gastou menos comigo na minha formação. Acredito que uns setecentos mil reais. Embora, é bom salientar que esses valores invisíveis de nada valem se não forem revertidos para o bem do próximo.

Então, conclusão...
Amar e ser amado(a)
É dádiva de poucos
Tem que ter cacife.
Tem que ter valor.
Tem que merecer
Dar e receber.

Lis.

Isa disse...

Muito interessante este texto.
Sempre aconselhei (e continuo a fazê-lo) que ñ se parta para um novo amor de coração ferido e a comparar.
O Amor é diferente.Ñ se compara com o anterior e...a pessoa amada ñ pode
pagar por algo que ñ deu certo antes.
Beijo.
isa.

Lis. disse...

E emendando...

Lembrei que certa vez
Saí da loja de uma amiga...
e montei na minha motocicleta...

Pensei em voltar para casa
E coloquei a chave na ignição
Logo senti um cutucão nas costas...

Era um sujeito com um revolver na mão.
Sentindo aquela infeliz emoção de um canhão
Pensei: Pronto meu pai tomou um baita prejuízo. (rs)
Mas, felizmente ele queria a motocicleta...
Pediu-me para descer e sair correndo...
E eu corri como todo bom atleta.


Lis.

VELOSO disse...

Texto muitobom valeu o post muitas verdades!
Bom dia menina!

pensandoemfamilia disse...

Muito bom. O amor pode ser único dentro de nós mesmos como nossa manifestação, mas cada qual tem um especificidade pelo "objeto" amado que nos remete sua própria luz, seja filho, homem, e outros mais.Por isto não há competiçõe.
bjs.

António Rosa disse...

Isadora

Também gostei muito desse texto.

O amor é o que é. Creio que na nossa cabeça é que o medimos, pesamos, marcamos.

Abraço

António

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...

ISA MUITO BOM ESSE TEXTO VALEU POR COMPARTILHAR!
BEIJO

Mi Satake disse...

Isa, que texto libertador, amiga!
É isso, libertador, acolhedor.

Tudi bom!

Passa pra me ver lá no blog q tem sorteio, ta?

Kelly Soares disse...

Que ponto de vista interessante...
Me identidiquei muito!
Beijos, Isa

Daniel Savio disse...

Interessante, mas a vida sempre foi uma série de escolhas que podemos suportar viver com o seu peso...

Fique com Deus, menina Isadora.
Um abraço.

Nilce disse...

Maravilhoso o texto Isa.
O Amor é único, não se transfere, não se ama igual.
Obrigada por compartilhar.

Bjs no coração!

Nilce

Mônica - Sacerdotisa da Deusa disse...

Olá minha amiga linda!
Saudades de vc.

Poxa, que bacana ler o que postou! Senti me senti estranha, costumava dizer que sou apaixonada pelo amor...este texto é bem elucidativo, gostei muito mesmo...
Beijinhos.

Flores e Luz.

Dama de Cinzas disse...

Muito bom esse texto! E em algumas vezes na minha vida optei por relacionamentos abertos, exatamente por conta dessa realidade. Mas te digo que homem não está preparado pra relações abertas... rs

Beijocas

ENCONTRO COM A POESIA disse...

bom dia Isa adorei o texto um bjo!

Fátima disse...

Oi Isadora! :)

É isso aí, grande post! Obrigada por ter partilhado connosco.

Bjs

Maria Célia disse...

Oi Isa
Muito bacana o texto. Colocado desta forma é a mais cristalina das verdades.
Bjos

Anne disse...

Eu concordo, amamos de maneiras diferentes. Nunca é igual e pode ser amor sim, uma, duas,´várias vezes.
Belo texto, adorei!
Obrigada pela torcida em favor do Edu, creio em Deus que tudo ficará bem...
Beijos da Amarela

Tatiana disse...

Querida Isa! Vim te conhecer um pouquinho, atraves da She e dessa blogagem coletiva para nossa queridona Tati.
Muito interessante esse texto,me fez indagar a respeito dos amores que sentimos pelos filhos, tao grandes e distintos,mas nao menos importantes um do outro!!!
Foi um prazer vir aqui te conhecer, principalmente caindo em uma data tao especial e em um texto tao reflexivo!!
Bjs.

PS:Parabeeeens Tati querida!!!!!!

Macá disse...

Isa
voltei
Não sei porque, seu blog não estava aparecendo na minha lista; e antes ele estava lá.
Mas já arrumei, tá?
bjs

AyméeLucaSs disse...

Tenho lido o que escreve e tenho gostado muito! Nos ensina... Tem um lado reflexivo nos textos em que add.
Este trecho me fez lembrar de um de meus posts (Um Sonho Que Se Foi!)
"Supondo-se que, de fato, a palavra amor se aplique à situação, podemos afirmar que, quando alguém diz que não tem certeza se ama uma pessoa ou outra, é possível que ambas sejam amadas. Mais parecido com a realidade psicológica seria dizer: "Não sei a qual desses dois amores eu suporto renunciar". Quando se faz uma escolha amorosa, decide-se não viver uma série de outros amores."
Incrivel, mas la eu falo disso! rsrs renuncia...

Mudando de assunto...
Tem um desafio pra vc aqui: Desafio (Joguinho pra gente)La no meu blog

Eu achei legal e resolvi te indicar ^^
Não se sinta na obrigação de responder. Mas é sempre bom ficar sabendo um pouquinho mais sobre nossos amigos blogueiros ^^
bjo