19 de julho de 2010

Blogagem Coletiva - Intimidade



Mais uma semana de blogagem coletiva. Dessa vez, a ideia partiu da Crica , do blog De Tudo um Pouco e a proposta é falarmos sobre Intimidade. 

Esta semana escreveremos sobre Intimidade Fraternal.

Vamos? Como é bom ter amigos. Amigos do peito, amigos de uma vez!

Entre verdadeiros amigos nos sentimos à vontade para confessarmos o inconfessável, para desnudarmos nossa alma, sem nos preocuparmos com um possível julgamento. Amigo de verdade vai nos escutar, vai nos chamar a atenção, vai dar o seu ponto de vista a cerca de uma questão, vai nos defender, vai se alegrar com nossas conquistas e entristercer-se com nossas derrotas, vai emprestar seu ombro para afogarmos nossas mágoas, ainda que ache que não é para tanto, vai ligar apenas para dizer oi ou contar uma longa história.

Intimidade entre amigos é saber que o irmão de seu amigo está de férias, é saber que a mãe vai passar por intervenção cirúrgica, é saber o nome de seus primos, ainda que não conheçamos, é sabermos que sua tia vai viajar, é sabermos que sua filha pequena está impossível, é sabermos que eles tem um sonho e que falta bem pouquinho para concretizar-se, é saber daquela coisa, aquela, que temos vergonha de falar para qualquer um, é confessarmos um ato ou um pensamento que sabemos não ser politicamente correto, mas que enfim temos é sabermos de suas dores, do que lhe agrada, do que lhe faz feliz, do que lhe é terminantemente proibido.

É saber que em alguns momentos a única coisa que ele quer é ser ouvido, sem críticas, sem julgamentos, sem palavras que alegrem, sem injeções de ânimo. Apenas ouvir, ainda que em um outro momento coloquemos nosso ponto de vista.

Conta a lenda que um dia Budha explicou a um de seus discípulos o que era a Amizade: “Nada mais do que uma bengala forte e segura”.

O discípulo, depois de muitas semanas de meditação, voltou e pérguntou: “Como se pode comparar a Amizade com uma simples bengala?

Budha levou o discípulo até a margem de um rio. Uma neblina baixa impedia de enxergar o outro lado e falou: “Imagine que você tem de atravessar este rio e que a neblina não lhe permite ver além de uns poucos passos à sua frente. A trilha de pedras, que é o único caminho para o outro lado, é formada por rochas lisas, redondas e parcialmente cobertas pela água. É uma trilha muito perigosa... Uma queda, um escorregão, e não haverá como se salvar. O que é que você faz”?

Novamente o discípulo se recolheu  e meditou. Voltou ao Mestre e disse:: “Eu faria uso de uma bengala. Seria esse o sentido da Amizade?”

E Budha respondeu: “Sim. Uma bengala, um apoio que será o seu auxílio para atravessar o Rio da Vida sem ter receio de escorregar em cada uma de suas etapas. A bengala é como a Amizade, firme, segura, eficiente, capaz de sustentar o seu peso num momento difícil, numa passagem que somente as suas pernas não seriam capazes de agüentar, mas com o apoio da bengala, você cria novas forças, você adquire uma nova energia e se torna capaz de vencer o obstáculo. E é por isso que a Amizade, como a bengala, tem de ser firme e forte. Ela precisa agüentar todo o seu peso, às vezes. E é também pelo mesmo motivo que a Amizade, como a bengala, deverá ser bem cuidada. Para que nunca se deteriore, para que não apodreça e se torne, de repente, frágil e quebradiça. Amizade é algo vivo, algo que necessita de cuidados.”.

O discípulo recolheu-se novamente . Finalmente, retornou e disse: “Mestre, sendo a Amizade o ponto de apoio dos homens, quando todos se encostarem uns aos outros, todos se apoiarem mutuamente, então, nesse dia, não haverá mais nenhum que venha a cair nas águas do Rio da Vida... Não é assim?”

18 comentários:

pensandoemfamilia disse...

Olá

Entendo que as coletivas têm nos proporcionado conhecer um pouco mais as pessoas, suas ídéias e intimidades, possibilitando construirmos elos. A visão trazida da amizade através do mestre, gostei tanto que vou repassá-la para minha lista de d-mail.
bjs

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Isadora, participei de um grupo de estudos uma vez por alguns meses ( Gurdjieef ). Certa vez tinhamos que convidar um amigo para participar de uma confarternização, no meio das brincadeiras para entrosar a turma foi feita a seguinte proposta>
Que os convidados descessem um morro que era ingreme por demais e cheio de falhas geográficas, ainda por cima com uma venda nos olhos...alguns aceitaram com muito medo, mas fizeram, outros desistiram e não quiserm fazer...
Na verdade Isadora, os amigos que lhes fizeram convite ficaram a todo instante na frente deles tomando conta de seus passos como se fossem anjos da guarda, jamais eles caíriam, mas o fizram sem saber, quando lhes foi revelado o intuito dproposta...foi emocionante os abraços, os beijos fraternos que ali foram concedidos...
Amigos são assim...as vezes nem sabemos, mas eles estão preocupados com a gente...estão ao nosso lado mesmo que só em oração.
Gostei da maneira como você explicou a amizade...
Desculpa o palavrório, acho que empolguei...rssr
Mas não tive como não me lembrar desta passagem...
Um abraço fraterno em sua alma solidária e amiga
Boa semana
beijo

Manuela Freitas disse...

Gostei muito do teu post sobre a amizade, é muito sentimental e cheio de tantas coisas que de facto seriam óptimas se acontecessem com frequência. Eu gosto desse mundo, mas ainda ando a cicatrizar-me de uma grande desilusão e todo o meu post é cheio de cepticismo.
Beijinhos, as tuas palavras fizeram-me bem.
Manú

Bordados e Retalhos disse...

Querida Isadora, amizade é realmente consolodaora e puro amparo. Que alegria é ter amigos. Adorei o post com a mensagem de Bhuda. Tenha uma ótima segunda feira. Bjs

Crica Viegas disse...

Isa querida
Seria tão bom se esse dia grandioso chegasse né...
Não conhecia esse texto, acheei lindo demais.

Lis. disse...

É carioca...

Amigo é coisa pra se guardar no lado esquerdo do peito, dentro do coração, assim falava a canção que na américa ouvi...

Saudações!

Lola Meireles disse...

Lindo blog, linda música, lindo post! Realmente o que seriamos sem os nossos amigos nos segurando não é?
Parabéns

Louise Oliveira disse...

Esse texto é emocionante, fiquei me lembrando dos momentos em que precisei da bengala e eles estava lá me segurando e dos momentos que eu tb os apoiei.
Fico feliz que o blog me tenha trazido vc tb Isa, pq eu já te considero assim.
Bjs! Amigaaaaa.
Lu

Teresa Cristina disse...

Oi Isa...lindo o seu post. Amizade é isso mesmo, fui me identificando em tudo o que escreveu. Também percebo assim. E a metáfora então? Fechou seu post com chave de ouro. Beijos querida!

C@urosa disse...

Olá querida Isadora, bela blogagem, que o amor fraterno nos una para sempre, graças a Deus. Muito lindo.

forte abraço

C@urosa

Andrea Pagano disse...

Oi Isa,
São bengalas mesmo no sentido do apoio com certeza, daquelas que não nos questionam ou criticam, mas apoiam nas piores e melhores circunstâncias.
É por isso que essas mensagens atravessam o tempo para nos ensinar coisas verdadeiras e essencias, como o amor, amizade e o valor que isso tem em nossas vidas...
Infelizmente os apoios sinceros e desinteresados, hoje são tão raros, mas com certeza se cada um através das mensagens for lembrando de sua importancia, a amizade e o apoio jamais faltarão!
Bjs querida!

Misturação - Ana Karla disse...

A verdadeira amizade não tem preço.
10 para o post.
Xeros

Mônica - Sacerdotisa da Deusa disse...

Oi flor!
Vc está bem?
Lindo esse post, é tão bom falar de amizade...
Flor, sei que o blogger tem dado problema, não sei se vc tem recebido meus comentários...to achando meio estranho...mas de qualquer forma estou aqui novamente para deixar um beijinho e desejar uma linda semana.

Flores e Luz.

Hod disse...

Oi Doce Isadora,

O Tempo que passa não envelhece as boas lembranças...Isso é memória.

Feliz dia do Amigo!!

Beijo pra ti.

Dama de Cinzas disse...

Muito legal a história do Budha! É bem isso que acho da amizade...

Tem um ponto que todos esquecem, que amigos são para as horas difíceis, mas também para as horas alegres, devemos compartilhar tudo com um amigo!

Beijocas

VELOSO disse...

Lindo post amizade dos blogueiro ajudaram me a sair de um grande baixo astral! Valorizo muito minhas amizades!

j maria castanho disse...

PASSEIO EXISTENCIAL




No fundo do amor está o amor.
À volta, no cimo, estão diversas coisas
Que às vezes nos entretêm: os nomes,
Principalmente, os nomes!
Somos todos iniciados na técnica de compreender
Que Outono é quando as folhas caem!


Podíamos passar por entre elas...
Ser-lhes a invocação imediata...
Enfim! Sermos díspares parcelas
Desse jogo infinito, a concordata...
...Um tratado! Caminhamos..., elas caem,
O sol vem recortante, capilar,
E os olhos descem e cerram, descem
Para dentro em busca do seu começar!

As pombas rodam, rodam as árvores,
Codificam-se os gestos e as cores
E faz imenso vento ruissussurrante
Mexendo as vestes, os cabelos
Os endereços, os remetentes, os selos
A imagética do corpo tonificante
E o chiar dos pneus, o tilintar eléctrico
A voz anunciante, o nome métrico.
Se nos liquidamos as pombas saem
Do quadro – é melhor deixá-las ficar
Como se fossem paz à volta do amor
Coisas, nomes principalmente, a rodar
A voar!...


Estamos num jardim: um qualquer!
Faz menção de sermos homem e mulher
(É que podíamos!... Deveras!) Ou avenida!
Porque não sonhos?... O sonho também!
Um saco deles! Bagagem de mistério...
Um livro... Um quarto de aluguer...
Pessoas amorfas que vão e que vêm
E que arrastam consigo toda a vida,
E um odor a incesto e adultério...


E os olhos cerram, descem, descem...

E os olhos cerram, descem, descem...


Deixámos os lábios que sabem a amizade:
Deixámos as roupas que usam o desejo:
Deixámos o sangue que cozinha prazer:
Deixámos as mãos que esculpem carinho:
Deixámos a palavra que recita a verdade:
Deixámos a despedida que encontra o beijo:
Deixámos o sol que encanta o crescer:
Deixámos o vento que murmura caminho:
Mas os olhos cerram, descem, descem...

Mas os olhos cerram, descem, descem...

Mas os olhos cerram, descem, descem...


Há, então, um pestanejar: o sonho agita-se.
E os olhos cerrados, descidos, perguntam:
«Para onde vais?» - somos feitos assim!
E cada um pensa e contrai-se.
Fecha-se. Circula. E as respostas ecoam:
«À procura de mim» «À procura de mim»
«À procura de mim» «À procura de mim»
«À procura de mim» «À procura de mim»

ღPat.ღ disse...

Minha linda,

Feliz Dia!

Obrigada por teu carinho em meu espaço...

Beijos em ti amada!