13 de janeiro de 2011

Sou do tempo...


Os que estão próximos dos 40 entenderão...

Meu primeiro estágio, na área de Marketing foi em 1992, no departamento de Comunicação da Mesbla (lembram?). Tínhamos um único computador que atendia a todos no departamento (mais ou menos 20 pessoas). Tela verde e sistema operacional DOS. Oi, alguém aí lembra?

Ainda criança, me lembro dos inúmeros passeios que fiz com meu avô, a Sears (essa faz muito tempo!).

E a Confeitaria Colombo de Copacabana? Quantas vezes eu, minha mãe e minha avó fomos tomar chá, à tarde (eu, na verdade, tomava suco ou refrigerante) e comer o delicioso casadinho de doce de leite. Já mais velha, quantas vezes ao sair do colégio, passava apenas para comprar 100gr de casadinho.

Me lembro quando o videocassete chegou na casa dos meus pais. Ficamos todos paradinhos olhando para a engenhoca admirados.

Quantas vezes, nas férias, fui passar o dia no trabalho da minha mãe e lá a maior diversão era brincar de secretária e dedilhar muitas palavras na máquina de escrever elétrica.

Sou do tempo do disco de vinil, da fita cassete, do genius, da bala juquinha e soft, do atari, do sorvete Kibom de caixa de papelão, do gravador, da vitrola, do aquaplay,  do chocolate Lollo, do relógio Champion,  do cubo mágico,  da calça bag e com muito orgulho!

É claro que não dispenso todo o aparato tecnológico que temos hoje, mas me pergunto: como vivíamos sem computador, celular, Nintendo DS, caixa eletrônico? Eu não sei, mas que vivíamos, ah isso vivíamos e bem de mais!

16 comentários:

Solange disse...

Isa...

Lembro de cada detalhe... risos...
Adorei !

E não é que vivíamos bem mesmo ?

beijoca carinhosa

Lu Souza Brito disse...

Isa, não são do meu tempo não, ahahahha.
O video cassete sim, mas ja nao era tao novidade.

Ó, já lei o selinho do Dia de esquecer um Livro lá pro Lichia.
Beijos

Anabela Jardim disse...

Sou desse tempo também! E sou muito feliz ... Sou sua nova seguidora e convido você você a conhecer os meu blogs. Abraços.

Nilce disse...

Sou um pouco mais antiga Isa, mas lembro de tudo isso e outras mais antigas ainda.
Sou do tempo do sabão Rinso, do refrigerante Crush, Vini, tênis Bamba e Conga, calça Lee, bala 7Belo, Elefante Cica, Kolynos, Varig, Revista Cruzeiro, Fotonovelas e tantas outras coisas mais.
Ah e brincar na rua sem medo de nada. Como era bom.
Você me deixou saudosa.

Bjs no coração!

Nilce

PS: Isa, queria tanto que você participasse da Blogagem Coletiva de 1º ano do meu blog. Vá lá, na lateral tem o selo, clique nele e venha comemorar comigo.

Macá disse...

Isa
Eu me lembro de tudo isso e muito mais; mas não vou contar não tá?
Hoje se falta alguma dessas coisas, pensamos em como vivíamos não é?
Olha, nessa minha viagem do final de ano pra Cumuruxatiba(BA), fiquei sem celular por 10 dias (bom demais) e a internet só quando conseguíamos algum sinal.
Não é bom, mas se vive.
beijos

Palavras Vagabundas disse...

Isadora eu sou do tempo de tudo isso, rs
Uma das coisas mais fantásticas que eu me deslumbrei quando vi foi o FAX, achei o máximo!rs
bjs
Jussara

Bia Jubiart disse...

Agora viajei...

Quer me denunciar!!!
DOS (era o mause atual) cheguei a pegar o 286/386 lembra?
Adoro Lollo! Será que ainda existe?
Honestamente não sentiria tanto falta destas tecnologias... Ela te dá uma falsa segurança, vc acredita que ainda tenho agenda escrita de fones importantes, e está semana meu "cebolar" 2 meses de uso deu "crise existencial" foi p/ brejo, a minha agenda iria também...

Gostei do post remake.

Beijossssssssssssss

Cacá - José Cláudio disse...

Eu sou do tempo em que a gente discava 107 e pedia a telefonista para fazer interurbano. Às vezes demorava mais de um dia. hahaha! A tecnologia, cria o produto e a propaganda a necessidade. Aí a gente acha que depende das coisas para viver. Eis a roda do consumismo maluco.rsrs. Abraços, Isadora. paz e bem.

Dama de Cinzas disse...

Lembro de tudo isso aí. Fiz curso de datilografia e trabalhei anos com máquina de escrever. Mas não gosto muito de olhar pra trás, me dá uma sensação de que estou ficando velha... eheheh

Beijocas

Giuliana: disse...

Oi Isa,

Realmente, tecnologia vem e vai, e pararmos para lembrar do que tinhamos na nossa época é gostoso, mas dá pra questionar como vivemos sem o que temos hoje. E amanhã os filhos rirão do que temos hoje...engraçado, né? =]

Saudades do Atari!

Beijos

welze disse...

e você é ainda uma linda menininha. adorei as lembranças. um abraço

Néia Lambert disse...

Isa eu sou desse tempo e ainda um pouquinho mais para trás, rsrs. De fato não dá para imaginar vivermos hoje sem o atual aparato tecnológico, somos absolutamente dependentes. O que fico me perguntando é o que virá pela frente? certamente objetos cada vez menores e as distâncias cada dia diminuídas através do mundo virtual.
Bjos

Maria Célia disse...

Oi Isa
Amei seu post. Sou deste tempo e um pouquinho mais.
Penso que somos privilegiadas, vivemos tudo aquilo, e agora estamos curtindo, utilizando, aproveitando todo este aparato tecnológico modernérrimo.
Muito bom.
Bjos

Cantinho She disse...

hahahahahahahaha muito bom Mosqueteira, ui, tb sou desse tempo, mamma mia! (rsrs)
Beijo, beijo!
She

Mônica Suñer disse...

Ontem estava na interminável faxina em meu ateliê e achei minha vitrolinha, sim, aquela que tem 3 velocidades, beeem antiga! Vou pedir ao marido que troque o auto-falante e compre uma agulha decente. Sim, ela ainda funciona!! Relíquia, vou colocar como objeto de decoração na casa nova. Bjs

Silvana Fabbri disse...

Olá, sou de 1959 ... portanto, passei por tudo isso e muito mais rssss, tenho a impressão que vivia muito mais e feliz, mesmo sem toda a tecno que temos hoje, é o preço da modernidade rssss.
Beijokas abóboras