10 de agosto de 2011

Minha pequena homenagem ao Rolando


Quando iniciei o blog, não sabia muito bem como as coisas funcionavam nesse espaço. Um dia buscando informações para um post, me deparei com um blog - Entremares, do Rolando Palma.

Fiquei encantada com o conto que li e deixei no comentário, um pedido para publicar o conto, aqui, no Tantos Caminhos e passei a segui-lo. Ele carinhosamente aceitou que eu publicasse seu conto e passou a ser o primeiro seguidor do Tantos Caminhos. Foi dele o primeiro comentário que recebi, em um post que fiz.("Muitas meninas como essa ( e meninos ) deixam simplesmente de conseguir ver as flores... e passam a acredita que é normal, que simplesmente.. cresceram, tornaram-se adultos.

Beijos, tudo de bom para ti.
Rolando
3 de março de 2010 14:42")


Hoje, a visitar o blog da Luma - Luz de Luma de deparei com a triste notícia de sua partida. E pior de sua partida de forma tão estúpida. Eu não poderia deixar de homenagear, aquele com o qual troquei as primeiras impressões nesse espaço. Fica aqui registrada a minha tristeza e o meu carinho.

Abaixo, o post que fiz sobre o lindo conto dele: A verdadeira história de Peter Pan

Bom, estava pensando em um post sobre A Terra do Nunca. Queria descrever a minha Terra do Nunca, pois acredito que dentro de cada um de nós existe uma. O lugar sagrado, onde nos refugiamos, nos momentos difíceis.

Ao fazer uma busca sobre a história do Peter Pan, para me inspirar, eis que me deparo com o texto abaixo. Uma pérola. Aquele texto que ao acabarmos de ler ficamos pensando: como eu gostaria de ter escrito isso.

Deixo para vocês o texto abaixo.

Recomendo aos que gostam de uma boa leitura o blog: Entremares.

O post sobre a minha Terra do Nunca fica para um outro dia.

" Pequenina, de asas graciosas e quase transparentes como todas as fadas, esvoaçando sobre os campos de flores. Seria o seu vestido, amarelo como os girassóis? Seriam os sapatinhos de verniz, a imitar as conchas do mar?

Chamava-se Nyota… e nascera muito longe dali, num continente quente e povoado de grandes florestas, lagos e desertos, e animais tão estranhos que ela não voltara a encontrar iguais, em mais parte alguma.Nem na terra do Nunca.

E aquele dia, na terra do Nunca, ia ser um dia... muito especial; Peter Pan, o eterno menino vestido de verde, como príncipe dos bosques e senhor das terras do arco-iris... ia anunciar o seu noivado.

Ninguém ignorava que Sininho sempre fora a fada de Peter Pan – a história descrevera-a assim, eternamente apaixonada pelo irrequieto menino que se recusava a crescer. Mas o que não estava escrito na história.. e que quase ninguém sabia... era o amor que Peter Pan e Nyota nutriam um pelo outro, desde que se haviam visto pela primeira vez, numa tarde de verão.

Nyota era divertida, uma óptima contadora de histórias... e sempre que podiam, desapareciam os dois rumo ao alto dos bosques. E ali, no silêncio dos pássaros e no murmúrio dos ventos... Nyota contava-lhe histórias de uma terra distante, em que os meninos rodeavam dançavam à volta de fogueiras, caçavam animais de cores bizarras e saltavam de árvore em árvore, pendurados dos ramos.

Peter Pan bebia-lhe o olhar, cheio de imagens, imaginando-se a ele próprio naquela terra estranha e longínqua, onde todos os meninos tinham uma cor de pele tão diferente da sua... e que Nyota descrevia como sendo tão bela como a terra do Nunca.

- Mas não há nenhuma terra mais bela que a terra do Nunca... – protestava Peter Pan, sempre que ela lhe tocava no assunto. – não pode haver...
- Mas é claro que há... e prometo-te que um dia... ainda te levarei lá...

E assim ela ali permanecia, inebriada por um simples olhar, enquanto ele adormecia, à sombra dos plátanos, sonhando com oásis de palmeiras no meio de desertos, tempestades de areia e longas pradarias de ervas altas e manadas de animais estranhos, a perder de vista...

Quando Peter Pan entrou na sala, as fadas interromperam a ladainha de sussuros. No silêncio frio do mármore, o único ruido provinha das botas de Peter, dirigindo-se ligeiro até a um dos extremos do grande salão. Sem cerimónia, saltou para cima de uma das mesas, distribuindo aquele seu olhar atrevido em redor.
Discretamente, Sininho aproximou-se também do local – queria estar bem ao seu lado, mal ele pronunciasse o seu nome.

- Meus amigos... como todos sabeis... está escrito que Peter Pan irá escolher uma fada da terra do Nunca... para juntos ajudarmos a cuidar de todos os habitantes ...

Fez uma longa pausa, enquanto dirigia o olhar para Sininho, ali bem perto de si.

- ... E todos vós já me conheceis há tanto tempo... e conheceis tão bem como eu a história da terra do Nunca, não é verdade? – e esticou o braço em direcção a Sininho - ... queres vir aqui fazer-me companhia... Sininho?

Palmas, muitas palmas, ainda mais suspiros.
No outro extremo do salão, um lamento passou quase despercebido.
Nyota, as mãos a tapar os olhos, saiu de mansinho para o jardim.
Peter Pan, do alto da mesa que lhe servira de tribuna, conseguia vê-la.

- Sininho... dás-me só um segundo, por favor? tenho só que ir ali falar com uma pessoa... é só um segundo...
A fada Sininho fez-lhe uma vénia irónica, com um sorriso de felicidade.
- Claro que sim, meu príncipe... claro que sim... mas não te demores...

Peter Pan apressou o passo, distribuindo sorrisos, beijos e abraços. Precisava de alcançar a porta do jardim.

- Nyota! Nyota!
Correu para ela.
- Nyota... espera, por favor...
Ela abriu a porta exterior do jardim. Quando se voltou, uma lágrima brilhante deslizava-lhe pelo rosto.
- O que queres, Peter?
- Nyota... meu amor... por favor, tens que compreender... estava escrito...
- Eu não sou o teu amor, Peter...
- Mas, Nyota... estava escrito... eu tenho que escolher a Sininho...
- Julguei que me amavas, Peter...
- E amo, Nyota, mais que tudo... mas que mais podia eu fazer? Está escrito ... na minha história... que eu tenho que escolher a Sininho... não posso evitá-lo...
Nyota olhou-o nos olhos e lá no fundo sentiu-se de novo a criança desprotegida, ansiando por um abraço, por uma palavra meiga.

- Eu também te adoro, Peter Pan... e isso não está escrito em nenhuma história, sabes? E se tu gostasses realmente de mim...
- Nyota, mas eu não posso...
- Peter... sabes porque não podes ?
- ...
- Não podes porque... até aqui não consegues deixar de ser ... uma criança...
- Nyota...
- Não, Peter... eu sei de tudo o que me vais dizer, mas... hoje e aqui... eu precisava que tu crescesses... nem que fosse só um pouquinho... que tivesses desafiado a história que escreveram para ti ... e me escolhesses...

Abriu o portão e seguiu em frente, o vestido amarelo como os girassóis a brilhar na noite escura. Desejava ardentemente que ele a chamasse.
Bastaria que a chamasse uma única vez... e ela voltaria a correr para os seus braços.

Mas sabia perfeitamente que tal nunca iria acontecer..."

(Rolando Palma- http://www.entremares-entremares.blogspot.com)

4 comentários:

Denise disse...

Que história triste Isa, como se esta violência resolvesse os sentimentos...

Sem ter o que dizer...deixo meu bjo pra vc.

Luma Rosa disse...

Uma alma delicada, cheia de ternura e sempre com um sorriso estampado no rosto - Perdemos uma pessoa rica para um homem estúpido! Ainda estou em estado de choque e revoltada!! Lendo este conto do Rolando fiquei muito emocionada! Tenho exercitado para não resumir a vida do Rolando pela sua morte, me lembrando das alegrias que ele proporcionou a tanta gente.
Beijus,

Cacá - José Cláudio disse...

Oi, Isadora. O mais curioso (e tétrico) é que eu havia lido sobre a notícia do assassinato no dia em que aconteceu, só que a gente nunca imagina que seja com alguém próximo ou conhecido. Só fui ligar os fatos quando vi postagens em vários blogs lamentadndo sua partida tão trágica. Meu abraço. paz e bem. (e Obrigado por visitar-me novamente).

She disse...

Ahhhhhhh a gente acaba se pegando aos amigos blogueiros e quando eles se vão é tão triste a sensação. ;) Lmbrei agora do Hod... Infelizmente não cheguei a conhecer o Rolando.
Que ele descanse em paz.
Beijo, beijo!